segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Parabéns para Jesus Cristo


Desejo a todos os meus amigos um Feliz Natal e um Ano Novo Cheio de PAZ e alegrias.
Mirtes Crespo

Tudo que nós já vivemos.
Tudo que vamos viver.
Ele é quem sabe o motivo.
Ele é quem pode dizer.
Ele é quem sabe a verdade.
Ele é quem mostra o caminho.

E quem procura por Ele, não vive sozinho.
Ele é o pão e o vinho.
Ele é o princípio e o fim.
Ele é o Rei e o cordeiro.
Ele é o não e o sim.

Ele só quer alegria, risos e felicidade.
E paz na terra aos homens de boa vontade.

Vamos cantar parabéns pra Jesus,
comemorar parabéns pra Jesus.
Nos abraçar nessa noite feliz.
Em que o amor ascendeu sua luz.

Vamos cantar parabéns pra Jesus,
comemorar parabéns pra Jesus.
Nos abraçar nessa noite feliz.
A estrela guia do céu nos conduz.
Parabéns pra Jesus.

Ele é o melhor amigo.
Ele é o pai e o filho.
Ele é maior do que a morte.
É o destino e o trilho.
Ele é carinho mais doce.
Ele é a flor e a semente.

Ele é quem sabe o que existe aqui dentro da gente.
Ele é a água mais pura.
Ele é o sol e o luar.
Ele venceu o deserto e andou nas águas do mar.

Ele é o mestre dos sábios.
Ele é o Rei e o Senhor.
Ele por mim deu a vida, em nome do amor.

Vamos cantar parabéns pra Jesus,
comemorar parabéns pra Jesus.
Nos abraçar nessa noite feliz.
Em que o amor ascendeu sua luz.

Vamos cantar parabéns pra Jesus,
comemorar parabéns pra Jesus.
Nos abraçar nessa noite feliz.
A estrela guia do céu nos conduz.

Parabéns pra Jesus.
Parabéns pra Jesus

Fonte: aracycrespo.blogspot.com

domingo, 6 de dezembro de 2009

Pedido ao Senhor


Senhor, dê-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar,a coragem para mudar as coisas que não posso aceitar e a sabedoria para esconder os corpos daquelas pessoas que eu tive que matar por estarem me enchendo o saco.

Também, me ajude a ser cuidadoso com os calos em que piso hoje, pois eles podem estar conectados aos sacos que terei que puxar amanhã.

Ajude-me, sempre, a dar 100% no meu trabalho...
- 12% na segunda-feira,
- 23% na terça-feira,
- 40% na quarta-feira,
- 20% na quinta-feira,
- 5% na sexta-feira.

E... Ajude-me sempre a lembrar,quando estiver tendo um dia realmente ruim e todos parecerem estar me enchendo o saco,que são necessários 42 músculos para socar alguém e apenas 4 para estender meu dedo médio e mandá-lo para aquele lugar...

Que assim seja!!!

Viva todos os dias de sua vida como se fosse o último.
Um dia, você acerta.

Luís Fernando Veríssimo

Um dia você aprende....


Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem.
Você não só não esquece a outra pessoa como pensa muito mais nela...
Um dia nós percebemos que as mulheres têm instinto "caçador" e fazem qualquer homem sofrer ...
Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável...
Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples...
Um dia percebemos que o comum não nos atrai...
Um dia saberemos que ser classificado como "bonzinho" não é bom...
Um dia perceberemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você...
Um dia saberemos a importância da frase: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas..."
Um dia percebemos que somos muito importante para alguém, mas não damos valor a isso...
Um dia percebemos como aquele amigo faz falta, mas ai já é tarde demais...
Enfim...
Um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos
todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas que nos atraem, para dizer o que tem de ser dito...
O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas
as nossas loucuras...
Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

Mário Quintana

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Canção das mulheres


Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.

Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.

Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.

Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.

Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.

Que o outro sinta quanto me dóia idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.

Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!''

Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.

Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.

Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.

Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.

Lya Luft

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

CRENDICES


Após ler a postagem de um amigo blogueiro (Ronaldo) sobre "Olho Gordo" resolvi postar sobre algumas crenças populares, e tem algumas supertições que eu não faço de jeito nehum ex: passar por baixo de escada, vixeee , nem pensar rsrs..
Mirtes

  • Cruzar com gato preto na rua dá azar.
  • Jogar sabão para Santa Clara faz parar de chover.
  • Chinelo ou sapato com a sola virada para cima, o pai ou a mãe podem morrer.
  • Sol com chuva, casamento de viúva.
  • Apontar estrela com o dedo faz nascer verruga.
  • Mulher que tem o segundo dedo do pé maior que o primeiro, manda no marido.
  • Cortar cabelo na Sexta-feira Santa não cresce mais.
  • Vassoura atrás da porta espanta visitas.
  • Sexta-feira 13 é dia de azar.
  • Agosto é mês do desgosto .
  • Assobiar à noite chama cobra.
  • Comer manga com leite faz mal.
  • Jogar sal no fogo espanta o azar.
  • A pessoa que é pulada não cresce mais.
  • O número 7 é o número da mentira.
  • Quem passa debaixo do arco-íris vira mula - sem - cabeça.
  • Quem come banana à noite, passa mal.
  • Quem canta na quaresma vira mula - de - padre.
  • Quem comer muito à noite terá pesadelos.
  • Passar debaixo da escada é má sorte.
  • Quebrar um espelho, dá sete anos de azar.
  • Colocar bolsa no chão faz o dinheiro acabar.
  • No mundo todo, a passagem do ano é cheia de rituais, simpatias e superstições -- e boa parte deles tem a ver com o que comemos ou bebemos (ou arremessamos) na última noite do ano:
  • No sul dos Estados Unidos, acredita-se que se você comer ervilhas na ceia, terá sorte no Ano Novo. A sorte aumentará se o prato for acompanhado de repolho verde.
  • Chocolate tem a fama de atrair riquezas, mas se você quer um ano cheio de sexo, nada supera uma ostra - recomendam os gregos.
  • Na costa noroeste dos Estados Unidos, o pessoal come salmão para atrair coisas boas no ano vindouro.
  • A tradição também diz que quem come o bolo de São Basílio, uma guloseima também conhecida como "Bolo dos Reis" é uma das favoritas. Diz a lenda que apenas a dona da casa pode fazer esse bolo redondo, e que no momento de levá-lo ao forno ela deve estar usando suas melhores roupas e jóias. Na massa que vai ao forno, há moedas e outros pequenos objetos. Antes de servir, usa-se um copo para cortar a porção central, fazendo com que o doce ganhe o formato de um anel. A porção central é oferecida ao santo e só então o bolo pode ser cortado. Aqueles que encontrarem algum "tesouro" na sobremesa terão sorte o ano todo.
  • Os alemães acreditam que o primeiro alimento consumido no ano que chega devem ser panquecas.
  • Os espanhóis correm contra o relógio. Segundo a tradição, durante cada uma das 12 badaladas da meia-noite come-se uma uva grande, o que garante a sorte para o resto do ano - mas só para quem lograr o intento antes que o relógio se cale.
  • Já os italianos, assim como os brasileiros, acreditam que uma colherada de lentilhas é sinônimo de dinheiro no novo ano, enquanto a carne de porco, bem gordurosa, simboliza prosperidade e progresso.
  • Os japoneses, por sua vez, consomem comem uma sopa chamada ozoni -- feita de arroz, massa e vegetais. É um tipo de elixir que acalma um estômago irritado e afasta os rancores.
  • Um bolo embebido em licor é tradição na Irlanda, na "Noite dos Grandes Pratos" (véspera de Ano Novo). Comer porções generosas nesse dia significa, para os irlandeses, dispensa cheia o ano todo. Chamado Barm Brack, cheio de especiarias e uvas passas, normalmente, após mordido 3 vezes pelo dono da casa, é arremessado contra a porta principal. O procedimento, acreditam, afasta a fome daquele lar durante todo o próximo ano.
  • Uma tradição escocesa chamada "First Footing" (algo como "primeiro a pisar") diz que a sorte que você terá no ano vindouro depende de quem for o primeiro a entrar em sua casa. Caso seja um estranho de cabelos escurso segurando um pedaço de pão, uma moeda de ouro e um pedaço de carvão, não se pode esqueçer de lhe servir uma bebida forte e um bolo de frutas embebido em uísque para ter sorte o ano todo.
  • Os espanhóis fazem a contagem regressiva para o Ano Novo, comendo uvas - uma por segundo. 
Fonte:  www.felipex.com.br

sábado, 21 de novembro de 2009

CANÇÃO DOS HOMENS


Que quando chego do trabalho ela largue por um instante o que estiver fazendo
- filho, panela ou computador - e venha me dar um beijo como os de antigamente.

Que quando nos sentarmos à mesa para jantar
ela não desfie a ladainha dos seus dissabores domésticos.

E se for uma profissional, que divida comigo o tempo de comentarmos nosso dia.

Que se estou cansado demais para fazer amor,
ela não ironize nem diga que "até que durou muito" o meu desejo ou potência.

Que quando quero fazer amor ela não se recuse demasiadas vezes, nem fique impaciente ou rígida, mas cálida como foi anos atrás.

Que não tire nosso bebê dos meus braços dizendo que homem não tem jeito pra isso, ou que não sei segurar a cabecinha dele, mas me ensine docemente se eu não souber.

Que ela nunca se interponha entre mim e as crianças, mas sirva de ponte entre nós quando me distancio ou me distraio demais.

Que ela não me humilhe porque estou ficando calvo ou barrigudo, nem comente nossas intimidades com as amigas, como tantas mulheres fazem.

Que quando conto uma piada para ela ou na frente de outros, ela não faça um gesto de enfado dizendo "Essa você já me contou umas mil vezes".

Que ela consiga perceber quando estou preocupado com trabalho, e seja calmamente carinhosa, sem me pressionar para relatar tudo, nem suspeitar de que já não gosto dela.

Que quando preciso ficar um pouco quieto ela não insista o tempo todo para que eu fale ou a escute, como se silêncio fosse falta de amor.

Que quando estou com pouco dinheiro ela não me acuse de ter desperdiçado com bobagens em lugar de prover minha família.

Que quando eu saio para o trabalho de manhã ela se despeça com alegria, sabendo que mesmo de longe eu continuo pensando nela.

Que quando estou trabalhando ela não telefone a toda hora para cobrar alguma coisa que esqueci de fazer ou não tive tempo.

Que não se insinue com minha secretária ou colega para descobrir se tenho amante.

Que com ela eu também possa ter momentos de fraqueza e de ternura, me desarmar, me desnudar de alma, sem medo de ser criticado ou censurado: que ela seja minha parceira, não minha dependente nem meu juiz.

Que cuide um pouco de mim como minha mulher, mas não como se eu fosse uma criança tola e ela a mãe, a mãe onipotente, que não me transforme em filho.

Que mesmo com o tempo, os trabalhos, os sofrimentos e o peso do cotidiano, ela não perca o jeito terno e divertido que tanto me encantou quando a vi pela primeira vez.

Que eu não sinta que me tornei desinteressante ou banal para ela, como se só os filhos e as vizinhas merecessem sua atenção e alegria.

E que se erro, falho, esqueço, me distancio, me fecho demais, ou a machuco consciente ou inconscientemente,

Ela saiba me chamar de volta com aquela ternura que só nela eu descobri, e desejei que não se perdesse nunca, mas me contagiasse e me tornasse mais feliz, menos solitário, e muito mais humano.

Por Lya Luft

O SEU AMIGO USA DROGAS?


SE O SEU AMIGO USA DROGAS E VOCÊ NÃO FALA NADA, QUE DROGA DE AMIGO É VOCÊ?

Se você optou por não usar drogas, sorte sua; mas, se algum amigo seu tomou a decisão errada, a sorte dele pode depender de outras pessoas. Inclusive de você.

Muitos jovens vêem seu melhores amigos indo em direção a um beco sem saída e não fazem nada para ajuda-los. Na maioria das vezes, esta passividade tem a mesma explicação: medo de parecer careta.

Careta mesmo é rotular as pessoas. Escolher não usar drogas significa que você tem auto-estima, segurança e gosta de viver. Óbvio, não há nada de errado com isso. Como também não há nada de errado em querer ajudar alguém de que você gosta.

Raramente o drogado admite estar com problemas. Uma pessoa que usa drogas tem dificuldades de enxergar com clareza o tamanho da encrenca em que se meteu. Dependendo da droga, o processo de desintoxicação pode ser muito doloroso.

A falta de informação também é um dos motivos que levam as pessoas a experimentar drogas. Só quem sabe a extensão real dos prejuízos que cada tipo de droga provoca no organismo, pode pesar as conseqüências de decidir se vale ou não a pena de correr este risco. A seguir, você vai ficar conhecendo melhor os efeitos provocados por algumas drogas e os prejuízos que elas causam no organismo.


COCAÍNA E CRACK
Provocam sensação de poder, euforia, perda da fome, do sono e cansaço. Em doses elevadas, causam aumento da temperatura, convulsões e aumento dos batimentos cardíacos, podendo resultar em parada cardíaca, respiratória e colapso do sistema nervoso central.

O crack pode provocar lesões cerebrais irreversíveis. É também uma das drogas de maior poder viciante. Ele leva apenas quinze segundos para chegar ao cérebro, quinze minutos depois, o usuário já sente necessidade de inalar novamente a fumaça, para fugir dosefeitos da síndrome de abstinência: desgaste físico, prostração e depressão.


ÁCIDO – (LSD)
Causam alucinações, distorções perspectivas, fusão dos sentidos (o som parece adquirir forma). As reações dependem da personalidade e da sensibilidade de cada um.

Em alguns casos, podem ocorrer as “mas viagens”, ansiedade, pânico, perseguição, sensação de deformação do próprio corpo e morte iminente. Pode causar delírio, convulsões e dependência psicológica.


MACONHA
Sensação de calma, relaxamento, vontade de rir. Produz dependência psicológica. O uso prolongado pode afetar os pulmões, a memória e temporariamente, a libido e a produção de espermatozóides. Diminui a capacidade de concentração. Fumar maconha de forma sistemática, principalmente na adolescência, acarreta má performance na escola e diminui as possibilidades profissionais na vida adulta.

Fonte: www.viaki.com

O mundo dos Adolescentes


Quem poderá entender as atitudes que um adolescente tem? Nem nós mesmos que somos mais experientes podemos avaliar, isso porque sempre vamos dizer, na minha época não era assim.

Eles estão mais interados em tudo que diz respeito a Internet, pois vivem pesquisando, assistem TV, jogos eletrônicos, sabem tudo a respeito, daí se transformam em fonte de informações.

Eles só dão atenção para quem eles aceitam, quando são pequenos, por exemplo a mãe pode ser a mulher mais feia mas para ele torna-se a mais linda, porém para o adolescente já não é assim, passa a ver seus pais de uma maneira diferente e começam a querer corrigi-los. Não devemos encarar esse comportamento de uma maneira ruim, devemos sim aproveitar esses conhecimentos que eles estão adquirindo para obtermos mais informações. Nos dias atuais muitos pais nem se importam com os filhos, vivem na correria do dia a dia, e nem percebem que seu filho está crescendo, está passando por essa fase que na verdade para ele é um conflito em sair da infância e passar pela adolescência. O homem não fala muito mas quando começa fala tudo de uma vez, já a menina fala menos e acha que a pessoa já entendeu.

Às vezes quando estamos andando pela rua nos deparamos com algumas situações corriqueiras mas que na realidade nos chocam. Adolescentes rebeldes armando o maior barraco dentro de casa, soltando palavras horrorosas, isto porque a partir do 11 ou 12 anos o adolescente começa a agir por si só, faz o que dá em sua cabeça, não precisa do auxílio de ninguém, é capaz de lidar com seus conceitos sobre liberdade e justiça. Ele domina sua capacidade de criar conceitos sobre o mundo, e passa até por sua cabeça que ele poderia mudar o mundo, fazer uma reformulação. Talvez isto seja apenas uma maneira de extravasar seus sentimentos que até mesmo eles nem sabem o que são, por isso se expressam até de uma maneira violenta para chamar a atenção.

Pais, procurem manter um diálogo com seus filhos, isso é muito importante para eles, seja amigo do seu filho, não deixe que ele tenha outro tipo de amizade que poderá leva-lo a destruição. Procure entende-lo, ajude-o, afinal vocês já passaram por esta fase e sabem o quanto é difícil estar na pele deles.

Fonte: www.viaki.com

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Direitos animais


Que ingenuidade, que pobreza de espírito, dizer que os animais são máquinas privadas de conhecimento e sentimento, que procedem sempre da mesma maneira, que nada aprendem, nada aperfeiçoam! Será porque falo que julgas que tenho sentimento, memória, idéias? Pois bem, calo-me. Vês-me entrar em casa aflito, procurar um papel com inquietude, abrir a escrivaninha, onde me lembra tê-lo guardado, encontrá-lo, lê-lo com alegria. Percebes que experimentei os sentimentos de aflição e prazer, que tenho memória e conhecimento.Vê com os mesmos olhos esse cão que perdeu o amo e procura-o por toda parte com ganidos dolorosos, entra em casa agitado, inquieto, desce e sobe e vai de aposento em aposento e enfim encontra no gabinete o ente amado, a quem manifesta sua alegria pela ternura dos ladridos, com saltos e carícias.Bárbaros agarram esse cão, que tão prodigiosamente vence o homem em amizade, pregam-no em cima de uma mesa e dissecam-no vivo para mostrarem-te suas veias mesentéricas. Descobres nele todos os mesmos órgãos de sentimentos de que te gabas. Responde-me maquinista, teria a natureza entrosado nesse animal todos os órgãos do sentimento sem objectivo algum? Terá nervos para ser insensível? Não inquines à natureza tão impertinente contradição.

François-Marie Arouet (Voltaire)

O Apagão e a Vovozinha Chata....


Os efeitos do blecaute sobre o governo são modestos, se comparados aos efeitos de Dilma sobre si mesma. Será que Lula escondeu sua candidata durante 40 horas e jogou o Lobão às feras com o objetivo de desvinculá-la de um evento tão impopular? Falta de luz e água, muito mais que um desconforto político, é uma tragédia social, com prejuízos inestimáveis para pessoas comuns. Ou será que submeteram Dilma a um curso relâmpago de marketing para ela reaparecer positivamente, com luz e água restauradas no país e argumentos na ponta da língua?

Se ela tiver recebido treinamento intensivo, melhor trocar enquanto é tempo os magos de imagem. Lula pode também providenciar uma transposição de personalidade. Dilma não passa em nenhum Enem de simpatia ou serenidade, mesmo se receber antes a prova. É só colocar um microfone diante dela, é só uma repórter fazer uma observação simples e pertinente. “Ministra, a senhora garantiu há duas semanas que não havia mais risco de apagão porque agora o país tem planejamento”. A ministra encrespa as mãos, engrossa a voz: “Minha filha, você está confundindo duas coisas. O que houve foi um apagão, não um blecaute. Blecaute é barbeiragem”. Era uma referência ao racionamento de 2001.

Indagada se o país poderia sofrer outro apagão, já que o sistema de Itaipu seria vulnerável a intempéries, Dilma rebateu: “Minha querida, nós, humanos, temos um problema imenso. Nós não controlamos chuva, vento e raio. Sempre quisemos, mas não conseguimos ainda. Talvez algum dia, né?”.

Talvez algum dia, ministra, a senhora encare as perguntas como elas são. Perguntas são feitas em busca de respostas. Talvez a senhora mude o tom. Seria bom entender que a água rola, a Terra gira, e que não adianta Lula tentar blindar a avó do PAC se ela se mostrar mais arrogante que o Lobo Mau. Não somos o Chapeuzinho e o PT deixou de ser vermelho.

Por Ruth de Aquino.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Fake


Fake (falso em inglês) é um termo usado para denominar contas ou perfis usados na internet para ocultar a identidade real de um usuário. Fake é um termo usado em relação também aos jogos, por exemplo, quando são falsos e nada é contido lá dentro .

Para isso são usadas identidades de famosos, personagens de filmes, desenhos animados, animes e até mesmo de pessoas conhecidas do dono da conta. Como não se sabe a identidade real do usuário, é comum chamar o seu perfil de "fake".
De maneira geral, os "fakes" são comumente encontrados em sites de relacionamento (como o orkut), mas também existem em serviços de mensagem instantânea (como o msn messenger) e fóruns. Uma das finalidades de um fake é dar opiniões sem se identificar, evitando constrangimentos ou ameaças pessoais ao opinante,mas sua maior finalidade é uma segunda vida, como um RPG - Role-playing game (traduzido como "jogo de interpretação de Personagens"). A maioria dos fakes o fazem só por diversão, para conhecer novas pessoas sem expor-se, para homenagear seu ídolos, etc. No orkut, os criadores de perfis fakes, que ja passam de 900 mil, tem entre 8 e 19 anos de idade.

O fake tem se tornado atualmente um novo problema social. Pessoas começam a apresentar distúrbios mentais e psicológicos, levando-os a trocar a vida real pela vida de seus perfis fakes. O mal uso do fake tem causado dependência nos usuários, declinando suas vidas nos aspectos social, colegial e intelectual. Para os viciados recomenda-se acompanhamento psicológico intenso. No fake eles adotam uma nova maneira de viver , lá eles podem ser quem quiserem .

Fonte: /br.answers.yahoo.com

Henri Matisse


Matisse, era um escriturário, que ao descobrir a felicidade que lhe proporcionava a prática da pintura durante uma convalescência na qual lhe foi oferecida uma caixa de tintas (ele tinha cerca de vinte anos de idade). Depois de se restabelescer, inscreveu-se num curso de desenho na escola Maurice-Quentin Delatour e começou a participar no estúdio do mestre Duconseil. A partir de 1890, depois de uma nova convalescência decorrente de uma intervenção de apendicite, Matisse abandonou o Direito para se dedicar à sua vocação artística, e, em 1891, estabeleceu-se em Paris, onde, depois de ser admitido na escola des Beaux-Arts em 1895, passou a frequentar o ateliêr de Gustave Moreau. Aí encontrou Georges Rouault, Albert Marquet e teve a oportunidade de visitar as exposições de Corot e de Cézanne(ele era homosexual).

Sua primeira exposição aconteceu em 1904, ocorreu em Ambroise Vollard e não obteve grande sucesso. No ano seguinte, juntamente com o grupo, expôs no salão de Paris, desta vez o grupo foi reconhecido como os fauves e Matisse como líder. Matisse conseguiu reputação internacional, exibindo em Paris e Alemanha.

Em 1908 fundou a Academia Matisse para uma seleção de estudantes cosmopolita e publicou "Notas de um Pintor" onde estavam suas crenças artísticas. Desde de 1904 Matisse trabalhou parte de cada ano no sul em Saint-Tropez e Collioure e mais tarde na Espanha e em Marrocos. Depois de 1916, passou a maioria dos invernos em Nice. Apesar de nunca ter se juntado aos Cubistas, sofreu algumas influências deste grupo. Entre 1913 e 1917 sua pintura era um pouco austera, com linhas retas e formas geométricas. Depois seu estilo ficou mais solto, figuras femininas e o interior foram seus principais temas, trabalhados em estilo livre e com cores decorativas.

Sua escultura era uma extensão da sua pintura, sua admissão pela arte primitiva estava mais aparente. Em alguns trabalhos ele explora o sólido, aspectos estruturais do corpo com um certo exagero a fim de alcançar uma clara expressão da forma.

Matisse, como outros artistas do movimento, rejeitava a luminosidade impressionista, e usava a cor como fator principal da pintura, levando-a às últimas conseqüências. Argan dizia que a arte de Matisse era feita para decorar a vida dos homens. Foi considerado o artista do século em que viveu. Em suas pinturas gostava de motivos repetitivos, usava formas curvas e cores variadas. Este inventou também a técnica do "desenho com tesoura". Matisse começou com cores vibrantes e depois voltou-se para Cezanne, admirou o tipo de pintura dele. Matisse pensava que os artistas tinham que ter olhos de criança, sempre olhar como se fosse a primeira vez.

Fonte: Wikipédia

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O mito da Mmulher Ttriste


Adoro todos os comentários dessa fantastica jornalista e diretora da sucursal de ÉPOCA no Rio de Janeiro. Ruth de Aquino ...
Mirtes

Não me convenço de que a mulher seja mais triste que o homem. Ou que a mulher seja hoje mais infeliz que no século passado. Pesquisas com 1.500 pessoas, feitas anualmente de 1972 a 2006 nos Estados Unidos, revelariam essa “crescente tristeza” da mulher e “crescente felicidade” do homem. ÉPOCA publicou reportagem na edição passada sobre isso. Depois, a revista Time deu capa. Antes que todo mundo acredite na tristeza feminina, queria dizer: acordem. Isso não é verdade.

Lembro que minha mãe, hoje com 87 anos, me dizia: “Tenha filhos homens, porque mulher sofre muito. Homem tem mais liberdade”. O tempo dela, em que a mulher não tinha como controlar o número de filhos, precisava pedir dinheiro ao homem, era malvista caso se separasse do marido, enfrentava como dramas seus ciclos biológicos... esse tempo passou. Felizmente.

O estudo “descobriu” que as mulheres estão cada vez mais tristes por uma única medida, totalmente subjetiva. A pesquisa não se baseou em nenhum histórico de internações ou rebeldia no trabalho e em casa. Americanas entrevistadas dizem que estão menos felizes.

Imediatamente, concluiu-se que as mulheres no mundo estão mais tristes que nunca. Homens citam amigas sem namorado como provas irrefutáveis da tese. Alguns dizem que a mulher foi “enganada” pela revolução sexual – talvez a solução fosse ter um homem só a vida inteira. Eles citam a obsessão de uma minoria em parecer mais jovem, recorrendo a cosméticos e plásticas. Especialistas entendem que, claro, foi o feminismo que entristeceu as mulheres. Só pode ter sido o trabalho fora de casa o grande vilão, pela dupla jornada que sobrecarrega a mulher.

Leio as interpretações dessa pesquisa como uma ficção. Tendenciosa. Sou feliz. E não sou exceção. Mulheres bem-sucedidas no trabalho não são necessariamente mais felizes do que donas de casa. Mas o inverso também é falso. O mundo que eu encontro como jornalista nas ruas da minha cidade, nos países que visito, não é de mulheres tristes. Mas de lutadoras. Mulheres inquietas, não acomodadas, que discutem desde a relação amorosa até seu lugar no mundo. Não lhes basta que seu time de futebol ganhe o campeonato para que ela se diga feliz.
Sou feliz – e não sou exceção. O mundo de hoje não
é de mulheres tristes, mas de lutadoras

Mulher reclama mais. Sempre reclamou – isso não mudou. Ela precisou ir à rua, ser presa e espancada para conquistar direito de voto. “É a natureza da mulher”, diz Carmita Abdo, psiquiatra e professora da USP. “Por característica biológica, o homem guarda muito mais o que sente, porque mostrar fragilidades não é viril. A mulher se expressa mais, na alegria ou na tristeza. O fato de ela se questionar mais não pode ser confundido com infelicidade. O dia em que a mulher parar de reclamar, vai enfartar tanto quanto os homens, porque doenças cardiovasculares resultam muito de emoções reprimidas.”

Como no pós-guerra, a mulher foi convocada a trabalhar fora para complementar o orçamento familiar, quem sabe agora, na crise do capitalismo americano, convém espalhar que é melhor ficar em casa? Os índices de desemprego diminuiriam se as mulheres todas resolvessem de novo se domesticar.

Os cursos à noite – de ioga, dança de salão ou filosofia e arte – estão lotados de mulheres depois dos 50. Elas viajam sozinhas ou em grupo. Vivem sete anos a mais do que os homens porque cuidam da saúde. “A mulher, quando se aposenta, vai pintar uma tela, tecer o tapete, aprender jardinagem. O homem se arrepia só de pensar em se aposentar e ficar em casa”, diz Carmita.

Talvez toda a humanidade esteja mais triste e sobrecarregada com a sociedade moderna. Homens e mulheres sentem falta de tempo físico e mental para os filhos e para o lazer absoluto. Há superposição de funções.

Por que as mulheres são tão tristes?

Simone de Beauvoir disse, em O segundo sexo, que a questão da mulher não é a felicidade, mas a liberdade. Dos quase 200 comentários em epoca.com.br, pinço um de Carina, de São Paulo: “Será mesmo que as mulheres eram mais felizes quando tinham que ficar em casa sendo destratadas, traídas, sem liberdade para sair? Para um homem é fácil falar. Eu quero provas”. Carina, não temos provas. Isso é um mito.

Por/ RUTH DE AQUINO
Fonte: www.direitoshumanos.etc.b

O Nosso Tempo


"Porque procurais, ó mortais, a felicidade fora de vós mesmos?" (Boécio)

O mundo hoje oferece-nos todo o conforto para nos tornar felizes.

-As máquinas fazem o trabalho que no passado era realizado com tanto esforço pelas pessoas em casa, na fábrica, na oficina, no campo...
-São fáceis as viagens por terra, mar e ar.
-Através da rádio, da televisão, do telefone, dos jornais e,sobretudo da internet, ficamos rapidamente a saber tudo o que se passa em qualquer parte da terra.
Parece-nos que o homem hoje devia ser mais feliz que no passado. No entanto deparamos com pessoas angustiadas, cansadas, desanimadas... Porquê?!
-Outrora as pessoas não se deslocavam tanto mas conviviam mais umas com as outras.
-Outrora as pessoas não ganhavam muito dinheiro mas não se deixavam escravizar pela ganância de possuir cada vez mais.
-Outrora as pessoas não tinham fábricas mas também não sabiam o que era a poluição.
-Outrora as pessoas não ouviam rádio, nem viam televisão nem tinham discotecas mas formavam grupos onde cantavam, dançavam e contavam histórias bonitas...
-Outrora as pessoas não tinham iluminação pública e por isso deitavam-se cedo mas não precisavam de despertadores pois acordavam ouvindo os passarinhos na mais bela sinfonia da natureza.
-Outrora as pessoas não possuíam aquilo que a sociedade hoje nos oferece mas tinham paz, esperança e alegria.
Por outro lado, todos os dias entram pelos nossos olhos e pelos nossos ouvidos notícias de guerra e violência, de atentados contra os direitos mais fundamentais da vida de cada pessoa e de cada povo. Imagens e páginas tristes de um mundo que perdeu a alegria e o optimismo. "Este mundo está perdido!", dizem muitos.
A sociedade actual Este é o nosso tempo. Não podemos regressar ao passado como não sabemos o que será o futuro. Mas devemos hoje saber que também nós podemos e devemos ser felizes.
"Façam o favor de ser felizes!"

Fonte: pt.shvoong.com

domingo, 8 de novembro de 2009

Pagu (Uma Mulher de Desprendimento)


Patrícia Rehder Galvão, conhecida pelo pseudônimo de Pagu, (São João da Boa Vista, 9 de junho de 1910 — Santos, 12 de dezembro de 1962) foi uma escritora e jornalista brasileira. Militante comunista, teve grande destaque no movimento modernista iniciado em 1922.

Biografia:

Bem antes de virar Pagu, apelido que lhe foi dado pelo poeta Raul Bopp, Zazá, como era conhecida em família, já era uma mulher avançada para os padrões da época, pois cometia algumas “extravagâncias” como fumar na rua, usar blusas transparentes, manter os cabelos bem cortados e eriçados e dizer palavrões. Nada compatível com sua origem familiar.

Ao contrário do que se propala, Pagu não participou da Semana de Arte Moderna. Tinha apenas 12 anos, em 1922, quando a Semana se realizou. Em 1925, com quinze anos, passa a colaborar no Brás Jornal, assinando Patsy.

Com 18 anos, mal completara o Curso na Escola Normal da Capital, em São Paulo e já está integrada ao movimento antropofágico, de cunho modernista, sob a influência de Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. É logo considerada a musa do movimento.

Em 1930, um escândalo para a sociedade conservadora de então: Oswald separa-se de Tarsila e casa-se com Pagu. No mesmo ano, nasce Rudá de Andrade, segundo filho de Oswald e primeiro de Pagu. Os dois se tornam militantes do Partido Comunista.

Ao participar da organização de uma greve de estivadores em Santos Pagu é presa. Era a primeira de uma série de 23 prisões, ao longo da vida. Logo depois de ser solta (1933) partiu para uma viagem pelo mundo, deixando no Brasil o marido Oswald e seu filho. No mesmo ano, publica o romance Parque Industrial, sob o pseudônimo de Mara Lobo.

Em 1935 é presa em Paris como comunista estrangeira, com identidade falsa, e é repatriada para o Brasil;. Separa-se definitivamente de Oswald, retoma a atividade jornalística, mas é novamente presa e torturada, ficando na cadeia por cinco anos.

Ao sair da prisão, em 1940, rompe com o Partido Comunista, passando a defender um socialismo de linha trotskista. Integra a redação de A Vanguarda Socialista junto com seu marido Geraldo Ferraz, o crítico de arte Mário Pedrosa, Hilcar Leite e Edmundo Moniz.

Do casamento com Geraldo Ferraz, nasce seu segundo filho, Geraldo Galvão Ferraz, em 18 de junho de 1941.

Em 1952 frequenta a Escola de Arte Dramática de São Paulo, levando seus espetáculos a Santos. Ligada ao teatro de vanguarda apresenta a sua tradução de A Cantora Careca de Ionesco. Traduziu e dirigiu Fando e Liz de Arrabal, numa montagem amadora onde estreava um jovem artista Plínio Marcos.

É conhecida como grande animadora cultural em Santos, onde passa a residir. Dedica-se em especial ao teatro, particularmente no incentivo a grupos amadores. Em 1945 lança novo romance, A Famosa Revista, escrito em parceria com Geraldo Ferraz. Tenta, sem sucesso, uma vaga de deputada estadual nas eleições de 1950.

Ainda trabalhava como crítica de arte, quando foi acometida de um câncer. Viaja a Paris para se submeter a uma cirurgia, sem resultados positivos. Decepcionada, Patrícia tenta suicídio, o que não se consuma. Sobre o episódio, ela escreveu no panfleto "Verdade e Liberdade": "Uma bala ficou para trás, entre gazes e lembranças estraçalhadas". Volta ao Brasil e morre em 12 de dezembro de 1962 em decorrência da doença.

Em 2005, a cidade de São Paulo comemorou os 95 anos de nascimento de Pagu com uma vasta programação, que incluiu lançamento de livros, exposição de fotos, desenhos e textos da homenageada, apresentação de um espetáculo teatral sobre sua vida e inauguração de uma página na Internet. No dia exato de seu nascimento, convidados compareceram com trajes de época a uma festa Pagu, realizada no Museu da Imagem e do Som.

Curiosidades:

* O apelido Pagu surgiu de um erro do poeta modernista Raul Bopp, autor de Cobra Norato. Bopp inventou este apelido, ao dedicar-lhe um poema, porque imaginou que seu nome fosse Patrícia Goulart e por isso fez uma brincadeira com as primeiras sílabas do nome.

* Em viagem à China, Pagu obteve as primeiras sementes de soja que foram introduzidas no Brasil.

* Em 2004, a memória de Pagu foi salva pela catadora de rua Selma Morgana Sarti, em Santos. A catadora encontrou jogados no lixo fotos e documentos originais da escritora e do jornalista Geraldo Ferraz, seu último companheiro. Entre os achados, estava uma foto de Pagu, com dedicatória para Geraldo.

Fonte: Wikipédia

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Paêbirú (1975), de Lula Côrtes e Zé Ramalho


Lula em seu apartamento
com telas de sua autoria ao fundo.

Ícone de minha geração, Lula Cortes é uma dessas figuras inesquecíveis do cenário Pernambucano. No vídeo a seguir ele está sendo entrevistado por Roger em seu programa local, Roger foi o dono de um bar aqui em Recife chamado SOPARIA, onde Chico Science e Nação Zumbi, Fred Zero Quatro e outros, inicaram suas trajetórias de sucesso mundo a fora...
Mirtes

É das coisas mais malucas e assombrosas que já se fez em música brasileira, mas eu me surpreenderia muito se eu tiver mais de 5 leitores que a conheçam. O nome é escrito assim mesmo, com a combinação agramatical de acentos.

Em 1973, o paraibano Zé Ramalho estava cansado de animar bailes em bandas de iê-iê-iê de João Pessoa e Campina Grande. O pintor Raul Córdula lhe avisou que no Recife havia um pessoal diferente, conhecido pela alcunha de udigrudi pernambucano. Foi pra lá. O guru era Lula Côrtes, um hiperativo que dividia seu tempo entre o desenho e o seu inseparável (e legendário) tricórdio.

Este disco não foi a estréia de Zé. Ele havia entrado no estúdio em 1973 para participar de uma maluquice coletiva chamada Marconi Notaro no Sub Reino dos Metazoários. Lula Côrtes se firmara como líder da turma durante a I Feira Experimental de Música do Nordeste (11/11/1972), também conhecida como Woodstock cabra da peste.

“O ácido era distribuído ao público, cerca de duas mil pessoas, dissolvido num balde com K-suco”, testemunhou depois Marco Polo, futuro membro da Tamarineira Village, numa entrevista ao jornalista pernambucano José Telles (autor de Do Frevo ao Manguebeat, Editora 34).

No início de 1974 Zé foi apresentado a Lula, que vivia com a namorada Kátia Mesel no então distante subúrbio de Casa Forte (que virou bairro nobre do Recife). Lula lhe falou da Pedra do Ingá e da idéia de fazer um disco inspirado no sítio arqueológico de Ingá do Bacamarte. O disco foi feito em 1975 no estúdio da Rozenblit (empresa fundamental para a história da música pernambucana) e lançado imediatamente. Mas na terrível enchente de julho daquele ano no Recife, as águas do Capibaribe invadiram a fábrica e destruíram praticamente toda a prensagem do disco, com a exceção de 300 cópias que haviam sido levadas para a casa de Lula e Kátia.

Dessas 300 cópias nasceu o mito, que é tão incrível que há gente que não acredita.

Hoje é possível encontrá-lo em CD, lançado pela Shadoks, um obscuro selo alemão. Aí no Brasil o disco sai por um preço bem salgado: alguém oferece um exemplar do CD no Mercado Livre por 120 mangos. No site da CliqueMusic é possível ouvir os primeiros 30 segundos de cada faixa. E também está disponível por aí na rede, claro, para quem tem as manhas.

Eu acho 90% do que se passa por “psicodelia” uma grande embromação. O Pink Floyd fez um disco, chamado The Piper at the Gates of Dawn (1967), ainda com Syd Barrett. O resto é trilha sonora de imberbe experimentando um baseado pela primeira vez. Estou em boa companhia ao achar o Grateful Dead uma chatice: o desfrute da música depende seriamente de uma ajudazinha de psicotrópicos e da mitologia da "viajandice" propagada pela banda.

Não é o caso deste LP duplo, em quatro partes: Terra, Ar, Fogo, Água. 11 canções no total, sendo o “Ar” representado só por duas faixas. “Trilha de Sumé”, com 13 minutos, passa por tambores, cantorias em marcação de coco, flauta, saxofone, o tricórdio de Lula e a guitarra distorcida de Zé Ramalho. É impossível saber o que vai acontecer no momento seguinte. As seqüências melódicas são interrompidas por cantorias de pássaros, sons de cachoeiras e outros barulhos da natureza que vão pontuando a viagem. “Harpa dos Ares” é uma bela peça instrumental com diálogo de cordas, flauta e canto de pássaros. O fechamento da parte “Terra” é com “Não existe molhado igual ao pranto”, melodia arrastada à base de cordas, com gritos esganiçados ao fundo (sugerindo tortura, talvez) e solos de sax. O barítono rouco e arranhado de Zé ecoa melancólico: Não se escuta da terra quem for santo / Não se cobre um só rosto com dois mantos / Nem se cura do mal quem só tem pranto / Nenhum canto é mais triste que o final.

Eu gosto menos da seqüência do “Ar” (faixas 4 e 5) que é mais plácida, menos trabalhada musicalmente e mais dependente de ruídos externos.

A seqüência “Fogo” começa com uma canção intitulada com versos que depois ficariam famosos na voz de Zé: “Nas paredes da pedra encantada / os segredos talhados por Sumé”. Essa é um petardo, um rock alucinógeno, com bateria, baixo, órgão. Um resenhista definiu a canção como “o som que os Doors teriam se eles fossem capazes de se divertir”. Essa seqüência termina com “Maracas de Fogo” e "Louvação a Iemanjá”, um canto responsorial sobre um batuque polirrítmico bem próprio dos sons dos orixás. Mais três faixas completam o disco, louvando a água: ali de novo predominam as cordas, pontuadas por ruídos aquáticos vários. Destaque para “Pedra Templo Animal”, um xaxado psicodélico.

Em 2003 eu vi um show de Zé Ramalho no Canecão, como convidado de Jorge Mautner. Depois, tive acesso ao camarim, porque estava com o mestre. Ia perguntar sobre Paêbirú. Não perguntei. Saí e fui escutar Mautner dissertar sobre Heidegger na areia de Ipanema.

Leitor: não morra sem ouvir este disco.

Fonte: www.idelberavelar.com

Nike ou Niké (A Vitória)


Uma das divindades ditas alegóricas do pensamento mítico grego e identificada com a deusa Vitória dos romanos, que personificava a vitória, não a criadora da vitória, mas sim a responsável por entregá-la ao vitorioso. Era filha do titã Pallas ou Palante e da oceânida Estige ou Styx e tinha como irmãos Bia, a Força, Crato, o Poder, e Zelo, o Ciúme. Normalmente era representada com outros deuses portadores da vitória, principalmente Zeus e Atena, em uma forma alada, portando atributos como um ramo de palmeira ou uma guirlanda. Também deve-se lembrar que Atena muitas vezes representada segurando em uma das mãos uma pequena imagem da deusa da vitória. Estige, sua mãe, era a deusa dos juramentos solenes inquebráveis e, assim, a mitologia mostrava desde então que para se ter a vitória, fazia-se necessário promover um juramento solene consigo mesmo, ou seja, é preciso, antes de tudo, desejar acertar para se alcançar o objetivo. Devia ser evocada em toda e qualquer situação que envolvesse ganhos, sucesso, vitória ou poder. Além disso, há de se ter muita atenção, pois a vitória mítica era irmã da força e do poder, mas, também do ciúme. A mitologia greco-romana tem ligações às mais curiosas e variadas com as coisas do nosso quotidiano. Assim, a mensagem mitológica indicava que para se obter o sucesso precisava-se de muita força e muito poder, e ao mesmo tempo saber lidar com o ciúme, que certamente rondaria este sucesso. Os nomes de deuses e heróis encontram-se associados às coisas mais inimagináveis. Afinal, mesmo depois de milênios, a influência clássica é ainda de elevada importância em vários domínios e, assim, por exemplo, a marca esportiva Nike tornou-se uma das mais importantes do mundo esportivo atual.

Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004 em Atenas, a imagem da deusa veio cunhada nas medalhas (ouro, prata e bronze). Essa imagem da deusa nas medalhas vem de uma escultura em mármore do século V a.C., feita pelo escultor Paeonius. A mais famosa imagem de deusa é a de Samotrácia, exposta no museu do Louvre, em Paris. A outra face da medalha mostra a chama da tocha olímpica, uma citação do poeta grego Píndaro, o emblema dos jogos e o nome do esporte a que ela é destinada. A deusa se encontra a mão direita de Atena, dando assim à deusa certeza de vitória em todas as batalha travadas. Atena em sua história várias vezes já travou grandes batalhas contra deuses que desejavam para si Niké, e graças à deusa alada, Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004 em Atenas, a imagem da deusa veio cunhada nas medalhas (ouro, prata e bronze). Essa imagem da deusa nas medalhas vem de uma escultura em mármore do século V a.C., feita pelo escultor Paeonius. A mais famosa imagem de deusa é a de Samotrácia, exposta no museu do Louvre, em Paris. A outra face da medalha mostra a chama da tocha olímpica, uma citação do poeta grego Píndaro, o emblema dos jogos e o nome do esporte a que ela é destinada. A deusa se encontra a mão direita de Atena, dando assim à deusa certeza de vitória em todas as batalha travadas. Atena em sua história várias vezes já travou grandes batalhas contra deuses que desejavam para si Niké, e graças à deusa alada, Atena sempre as venceu.

Fonte:www.dec.ufcg.edu.br

terça-feira, 3 de novembro de 2009

PESSOAS INTELIGENTES


Conta-se que numa cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com
o idiota da aldeia.

Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e
esmolas.
Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a
ele a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 REIS e outra menor,
de 2.000 REIS.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos
para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não
havia percebido que a moeda maior valia menos.

'Eu sei' - respondeu o tolo assim: 'Ela vale cinco vezes menos, mas no
dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar
minha moeda.'

Pode-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.

A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
A segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?
A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.

Mas a conclusão mais interessante é:

A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma
boa opinião a nosso respeito. Portanto, o que importa não é o que pensam
de nós, mas sim, quem realmente somos.

O maior prazer de uma pessoa inteligente é bancar o idiota, diante de um
idiota que banca o inteligente.


Arnaldo Jabor

domingo, 1 de novembro de 2009

Deselegantes histórias da moda


Toda história (e que história!) do clã Gucci, a conturbada família italiana que construiu um império da moda e artigos de luxo, é contada de forma contundente pela jornalista Sara Gay Forden no livro "Casa Gucci". Na narrativa, muito glamour, sexo, ambição, intrigas, brigas, processos, moda, muitas bolsas, é claro, e sexo, naturalmente, porque ninguém é de ferro. O livro fala de tudo. Entre outras coisas, do fundador Guccio Gucci, que abriu a primeira loja em Florença, do apogeu da marca nas décadas de 50 e 60 e do assassinato aos 51 anos de Maurizio Gucci, último membro da família a dirigir a empresa em seu elegante escritório na Via Palestro, em Milão, e que foi assassinado no dia 27 de março de 1995, a mando de sua ex-mulher, a ambiciosa Patrizia Reggiani Martinelli, que ficou conhecida como a Viúva Negra. Paralelamente, a autora traça um perfil do universo da moda naquela época enfocando estilistas famosos como Gianni Versace, Giorgio Armani, Miuccia Prada até Tom Ford, este o responsável pela volta do sucesso da marca no mundo inteiro. Sobre a dinastia Gucci, alguns jornalistas escreveram na época: ""Riqueza pode dar tudo _ exceto transfusões de sangue azul". Hum... parece que muita gente ainda não aprendeu.

Ficou famosa por frases de gosto duvidoso, como a de preferir "chorar num Rolls-Royce a ser feliz numa bicicleta". Mesmo depois do assassinato do marido, baleado quando chegava ao seu escritório, ela continuou falando a quem quisesse ouvir que estava feliz com sua morte.

A foto menor mostra o conturbado clã Gucci reunido. A moça no retrato tipo 3/4 com cara de assassina é assassina mesmo: Patrizia Martinelli, a Viúva Negra. E a bolsa com alça de bambu é um ícone da marca.

Muita gente já se encalacrou só para dizer que tinha uma.





Fonte: oglobo.globo.com

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Piadas de Joãozinho - Uma Característica Internacional


Você sabia que elas são um fenômeno mundial? Na grande maioria dos países existe um personagem fictício que é um garotinho muito esperto e capaz de constranger, enganar ou deixar embaraçados os adultos. Normalmente, ele consegue suas proezas, que nos fazem rir, através de perguntas ou respostas que deixariam a maioria dos adultos atônitos, mesmo que sejam a representação de pensamentos muito simples e claros. Embora seja freqüente uma piada de Joãozinho conter palavrões ou um cunho sexual, nem sempre elas necessitam destes ingredientes para obter o êxito em fazer graça.

Somente por curiosidade, vamos listar aqui os nomes dos Joãozinhos de alguns paises: em Portugal é Joãozinho mesmo, aqui no Brasil, às vezes se usa também Juquinha. Nos estados Unidos ele é chamado de Little Johnny , na Espanha é Jaimito, Pepito é no nome no México, Vovochka é o que você deve fazer se quiser chamar um Joãozinho na Rússia. Na Itália é Pierino e na França, Toto.

Mais uma de Joãozinho‏:

Joãozinho estava brincando no playground da escola, qdo viu o carro do seu pai passando em direção ao mato atrás da escola... ele seguiu o carro e viu seu pai e tia Jane, se abraçando apaixonadamente!!! Joãzinho achou isso tão excitante, que não se conteve e correu pra casa para contar pra sua mãe o que tinha visto ...
- Mamãe, mamãe, eu estava no playground da escola, qdo vi o carro do papai indo pro mato com a tia Jane dentro... Eu fui atrás pra ver e ele tava dando o maior beijo na tia Jane....depois ele a ajudou a tirar sua blusa... aí a tia Jane ajudou o papai a tirar suas calças e depois a tia Jane....'
Nesse ponto a mamãe o interrompeu e disse:
- Joãozinho, essa é uma estória tão interessante, que tal você guardar o resto dela pra hora do jantar?.... Eu quero ver a cara do seu pai, qdo você contar tudo isso hoje à noite!'
Na hora do jantar, a mamãe pediu pro Joãozinho pra contar sua estória... Joãozinho começou a sua estória:
- 'Eu tava brincando no playground da escola, qdo vi o carro do papai indo pro mato com a tia Jane dentro... aí, fui correndo atrás pra ver e ele tava dando o maior beijo na tia Jane...aí ele a ajudou a tirar sua blusa... aí a tia Jane ajudou o papai a tirar suas calças e depois a tia Jane e o papai começaram a fazer as mesmas coisas que a mamãe e o tio Bill faziam, quando o papai estava no exército ....'
A mamãe desmaiou!
Moral da estória: Dê atenção a quem estiver falando. Pode ser bom pra você.

Fonte: 4.bp.blogspot.com



segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Promessas de Casamento


Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento a igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre. "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?" Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
- Promete se deixar conhecer?
- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?
- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros.

Autoria de Martha Medeiros

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Decepção


Tenho sempre comigo a idéia que não fui feita pra lidar com "PESSOAS", e sim com "GENTE". Qual a diferença, você pode estar se perguntando! Bem, para mim, "PESSOAS" são seres qualquer que passam na tua frente todos os dias, mais que não tem alma. Pode passar dez vezes e você pode nem notar. Esses elementos, chamados "PESSOAS" querem ser seres humnaos, mais de humano não tem nada, vivem como parasitas e só se aproximam de você quando necessitam lhe usar em seu benefício. São seres deploraveis que camuflam as suas ações e se fazem de bonzinhos e amigos. Quando você precisa não aparecem ou estão ocupados fazendo outra coisa. Mas quando precisam de você são gentis e até parecem "GENTE". Mentem e mascaram a verdade para que você não perceba. Isto porque eles são covardes! Mais em sua maioria este comportamento é herança genética. Vem de seus ancestrais que estão acostumados a viver assim na mentira.

"GENTE" é diferente, se dar por nada e quando você menos espera aparece para lhe ajudar, mesmo que faça tempo que você não ver. São prestativos e procuram ajudar sem interesse em retorno de qualquer espécie, fazem por amor pois são almas boas e que estão aqui na terra para nos livrar destas "PESSOAS" que se dizem humanas.


Não preciso destas "PESSOAS" e sim de "GENTE" ao meu redor para que eu sinta que quando falo com elas, estou ouvindo a verdade e não um monte de mentiras ou respostas camufladas!

Por Elaine Crespo (elainecrespo.blogspot.com)




sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Chega de pensamento positivo..


Esta é a melhor reportagem de toda esta revista [a edição onde ela foi publicada]. Não, ainda não é o suficiente: esta é a melhor reportagem que você já leu em sua vida.
Eu não sei que efeito essas frases tiveram sobre você, mas para mim o resultado de dizê-las em voz alta foi tornar a tarefa de escrever esta reportagem mais difícil, e não mais fácil. Deve ser isso que três pesquisadores canadenses queriam dizer com um estudo publicado recentemente no jornal Psychological Science.
Eles resolveram testar a extraordinária tese de que o pensamento positivo faz as pessoas se sentirem melhor – e elas acabam por produzir mais, conquistar seus objetivos, viver melhor. Não há dúvida de que o pensamento positivo deu certo para o pastor americano Norman Vincent Peale. Em 1952, ele escreveu O poder do pensamento positivo e praticamente inaugurou um veio bilionário da psicologia e do mercado de autoajuda.
E agora a pesquisa canadense, feita com jovens universitários, comprovou que, sim, tecer elogios a si próprio dá resultado. Infelizmente, não é o resultado esperado. As palavras doces (“eu sou uma pessoa adorável”) ditas em voz alta até beneficiaram, modestamente, quem já apresentava autoestima elevada. Mas pioraram bastante a autoimagem de quem mais precisava de uma forcinha. Quem tinha autoestima reduzida – medida por um questionário-padrão desenvolvido nos anos 60 – saiu pior ainda da experiência. “Não é que o pensamento positivo baixe a autoestima em geral, mas ele pode prejudicar alguns indivíduos – de cara, aqueles que já têm baixa autoestima”, disse a ÉPOCA uma das autoras do estudo, Elaine Perunovic, ph.D. em psicologia e professora na Universidade de New Brunswick.
Uma das explicações dos autores é que, quando ouvimos afirmações radicalmente opostas àquelas em que acreditamos, nós não apenas nos mostramos céticos[1], como tendemos a aderir com ainda mais força nossa posição original. Um socialista moderado, ao ouvir um amigo tecer loas[2] ao liberalismo, tende a se sentir mais socialista. Um corintiano bissexto, rodeado por palmeirenses numa roda de bar, tende a demonstrar uma paixão inaudita por seu time. E, na opinião dos pesquisadores, uma pessoa que não se considera lá essas coisas, ao ouvir de si própria que é genial, ou linda, ou adorável, tende a achar-se mais desprezível que antes.
“A baixa autoestima é um problema crescente hoje”, diz a psicóloga Cecília Vilhena, professora da PUC de São Paulo. “Mas esse estudo evidencia a inexistência de soluções mágicas e as limitações da autoajuda.” Os especialistas do pensamento positivo, como era de esperar, discordam. “Se eu falo que estou feliz, mas minha voz mostra desânimo, os fatores não verbais não conbinam. Há uma incongruência aí”, diz o psicólogo Alexandre Bortoletto, especialista em neurolinguística, uma técnica que promete “reprogramar” o cérebro do indivíduo (e que usa, como uma de suas bases, o pensamento positivo). “Só pensar não resolve. Não é como disseminou por aí O segredo, que é só pensar e o dinheiro cai do espaço”, afirma Bortoletto, criticando outra linhagem de defensores do autoelogio.

Fonte: Revista Época

Jamiroquai


O Jamiroquai é a banda inglesa liderada pelo vocalista Jay Kay que levou o Acid Jazz ao mundo com sua mistura de funk, jazz e pop. O nome surgiu da fusão do nome da tribo indígena dos 'Iroquois' e a palavra jam. Jay saiu de casa aos 15 anos e morou nas ruas de Londres por algum tempo, tendo problemas com a polícia algumas vezes por pequenos furtos. Hoje ele coleciona carros esportivos e sucessos musicais. O primeiro single do Jamoroquai, "When You Gonna Learn?" foi lançado em 1992 e seguido pelo álbum 'Emergency on Planet Earth' (1993) estabeleceu a banda como uma melodiosa, suingada e expressiva novidade na música, atingindo um milhão de cópias só no Reino Unido. O disco chegou ao número um das paradas de sucesso da Inglaterra, emplacando também hits no Top 10 como "Too young to die" e "Blow your mind". O disco também estabeleceu a marca registrada da banda como a silhueta do rapaz com chapéu de búfalo na capa: Jay Kay e sua própria indumentária incomum.

Em 1995 foi lançado 'The Return Of The Space Cowboy' e foi considerado um 'novo clássico' no Reino Unido. Sua pitada pop no acid jazz e a apologia ao uso da maconha foram sucesso nas paradas inglesas. Dois anos depois, foi lançado 'Traveling Without Moving' e seu primeiro single "Virtual Insanity" foi sucesso absoluto no mundo todo, tanto nas paradas musicais quanto na MTV mundial. O álbum conta com maior romantismo nas letras e um experimentalismo sonoro de sintetizadores e sons computadorizados. Faixas instrumentais também são a marca desse lançamento que expandiu as fronteiras do sucesso da Europa para Estados Unidos e Japão contabilizando mais de três milhões de cópias vendidas no mundo todo.

'Synkronized', o quarto álbum do grupo, lançado em 1999 trouxe para as vésperas do novo milênio uma dance music moderna e renovada com um funk melodioso e canções contagiantes. Junto com Travelling Without Moving, os discos dobraram as vendagens do Jamoriquai.

'A Funk Odyssey' lançado em 2001 marcou a chegada aos dez anos de carreira com uma evolução em relação ao disco anterior, quanto às influências da música disco e funk. Os críticos descreveram a sensação de ouvir o disco como estar numa festa de uma boate em Paris, LA, NY ou qualquer clube dançante do mundo, tamanha variedade musical.

Após a pauta de quatro anos sem lançamentos, Jay Kay volta agora com um novo álbum com o sugestivo nome de 'Dynamite'. O disco foi composto e gravado na Espanha, Itália, Costa Rica, Escócia, Nova York e Los Angeles, além da casa do músico em Buckinghamshire, Inglaterra.

E já se vão 13 anos desde que Jay assinou o contrato para oito discos com a gravadora. Um contrato pouco ortodoxo para uma banda inovadora. Suas letras vão de manifestos políticos e ecológicos ao relato de uma festa dançante. São mais de 20 milhões de cópias vendidas, cinco prêmios MTV e um Grammy, e o reconhecimento mundial pela qualidade musical.

Integrantes da Banda: Jay Kay, Rob Harris, Sola Akingbola, Derrick McKenzie e Paul Turner

Fonte: site Sony BMG

Assita ao vídeo que é Show!! na minha opinião.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Teste de Caráter....(Seja sincero)


Este é um teste para sua auto-avaliação.

Responda à pergunta final com
sinceridade e então poderá auto-avaliar sua moral.

Trata-se de uma situação imaginária.
Você deve decidir sobre uma atitude
a ser tomada baseada em
duas alternativas possíveis.

Caso:

Você está em São Paulo, em meio
aos terríveis momentos de enchentes
que normalmente ocorrem na cidade
em épocas de chuvas mais intensas.

Você é um repórter fotográfico que
trabalha para a CNN e está desesperado
em meio ao caos e tirando as
fotos mais impactantes. A água cobre a principal
via de trânsito e envolve pessoas e veículos.

De repente, em meio aos caos, você vê
num Jeep o Fernando Collor, o Renan Calheiros,
e o José Sarney.


Eles lutam desesperadamente para não
serem arrastados pela correnteza,
que segue direto para um enorme
buraco que a tudo engole, entre lama, lixo
e pedras. E eles estão sendo arrastados
inexoravelmente.

Você tem a oportunidade
única de resgatá-los, mas tem também a oportunidade
única de tirar uma fotografia jornalística,
seguramente ganhadora do Prêmio Pulitzer,
que te faria famoso no mundo inteiro,
ao mostrar o flagrante
inédito da morte de tão famosos políticos.

Não dá para titubear e nem fazer
as duas coisas: salvar e fotografar.

Pergunta:

Baseado em seus princípios éticos e
morais e na fraternidade e solidariedade
humanas, responda sinceramente:

Você faria a foto em preto e branco ou colorida?

Fonte: Joaquim Torcto

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O Nobel Para a Desconhecida


"Você já leu alguma obra de HERTA MULLER?", pergunta uma enquete publicada no site do Nobel logo após o anúncio da vencedora. A resposta, para 93% dos visitantes, foi "não". Depois do anúncio do prêmio o público aplaudiu, para depois tentar descobrir quem era aquela mulher.

BIOGRAFIA:

A laureada com o Nobel da Literatura 2009, Herta Müller, nasceu a 17 de Agosto de 1953 na cidade romena Nitzkydorf, na região de Banat, e vive actualmente em Berlim.

Proibida de publicar na Roménia por ter criticado publicamente o regime de Ceausescu, a escritora emigrou em 1987 para a Alemanha com o marido, o poeta Richard Wagner, também nascido naquela região romena.

Em 2009, Herta Müller publicou o romance Atemschaukel, na editora Hanser de Munique. Trata-se do 19.º livro publicado, entre romances, contos e ensaios.

O pai prestou serviço nas Waffen SS, a tropa de elite chefiada por Himmler na II Guerra Mundial.

Muitos romeno-alemães foram deportados para a então União Soviética em 1945, incluindo a mãe de Herta que passou cinco anos num campo de trabalho na actual Ucrânia. De 1973 a 1976, estudou literatura alemã e romena na Universidade de Timisoara, na Roménia, fez parte do Aktionsgrupp Banat, um círculo de jovens germanófonos de oposição ao regime de Ceausescu que defendiam a liberdade de expressão.

Depois de terminar os estudos, trabalhou como tradutora numa fábrica de máquinas de 1977 a 1979. Foi despedida por se ter recusado a ser informadora da polícia secreta, o que lhe valeu ser perseguida pela Securitate.

Müller começou a publicar com a colecção de contos Niederungen (1982), censurada na Roménia. Dois anos depois, publicou uma versão não censurada na Alemanha e, no mesmo ano, Drückender Tango, na Roménia. Nestes dois trabalhos, Müller descreve a vida numa pequena aldeia germanófona, marcada pela corrupção, a intolerância e a repressão.

A imprensa romena criticou negativamente estes trabalhos que foram muito bem recebidos pela crítica alemã. Por ter criticado publicamente a ditadura romena, foi proibida de publicar no seu país, Herta abandonou o país com o marido, o poeta Richard Wagner, também ele romeno-alemão.

Desde que, em 1984, foi distinguida com o Prémio Aspekte, Herta Müller tem acumulado galardões sobretudo na Alemanha. Em 1995, recebeu o prémio europeu de literatura Aristeion e foi eleita para a Academia Alemã para Língua e Poesia. Em 1998, recebeu o prémio irlandês IMPAC, no ano seguinte o Prémio Franz Kafka. Em 2003, o prémio Joseph Breitbach de literatura alemã, em 2004 o prémio de literatura da Fundação Konrad Adenauer e, em 2006, o Prémio Würth de literatura europeia.

Fontes: Jornal de Notícias / Revista Época

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Celebridade instantânea


"É preciso tomar cuidado ao se lidar com a fama. o ser humano deve entender que sucesso e fama são duas coisas totalmente diferentes."
Mirtes

A expressão celebridade instantânea refere-se geralmente a uma pessoa não famosa que ganha certa notoriedade de maneira repentina, por vezes devido a algum escândalo, programa televisivo ou algum fato de grande cobertura na mídia, como o caso dos fenômenos da Internet. Como a fama vem de maneira repentina, tais celebridades têm dificuldade de se manter na mídia durante muito tempo, muitas vezes voltando ao anonimato da mesma maneira que saíram dele.

Apesar de ser algo típico do fim do século XX e começo do XXI, o fenômeno em questão foi profetizado por uma frase de Andy Warhol, que na década de 1960 começou a pintar produtos norte-americanos famosos, como latas da sopa Campbell's e garrafas de Coca-Cola, ou ícones de popularidade, como Marilyn Monroe. Disse ele: "um dia, todos terão direito a 15 minutos de fama" ao comentar obras próprias baseadas em acidentes automobilísticos, em especial o de uma ambulância.

O filme Chicago vencedor do Oscar de melhor filme em 2003, explora o conceito de celebridade instantânea através da personagem principal Roxie Hart, interpretada por Renée Zellweger. Roxie ganha fama na mídia local, mas não por seus méritos, e sim pelo fato de ter assasinado o amante a sangue-frio. Em vários momentos do filme, essa personagem prova-se disposta a fazer qualquer coisa para que seja reconhecida. Em uma cena muito lembrada, Roxie finge estar grávida apenas para não ver seu espaço diminuído na mídia. Graças à sua presença constante na mídia, Roxie consegue realizar o sonho de construir uma carreira no mundo da música. A história do filme se passa na década de 1920, mas se assemelha muito a casos recentes que foram explorados incessantemente pela mídia (como o suposto assassinato de Nicole Brown por seu marido O. J. Simpson e a batalha judicial deixada com a morte de Anna Nicole Smith - este último caso foi mais noticiado pela FOX News do que a Guerra do Iraque).

Antes de Chigago, porém, o tema já havia sido levantado em Hollywood, no filme "O Rei da Comédia", de Martin Scorsese. A despeito do título, e da presença de Jerry Lewis, além de Robert de Niro, o filme, longe de ser para rir, é um drama, que propõe uma reflexão sobre a relação do público com seus ídolos e a necessidade pessoal de reconhecimento.

Fonte: Wikipédia

domingo, 4 de outubro de 2009

Logosofia (O governo de si mesmo)


"O fato de viver não é
suficiente para experimentar
a realidade de ser.”

O aperfeiçoamento deve ser integral; deve abarcar o ser e a vida sem exclusão de nenhuma natureza. A isso conduzem os conhecimentos logosóficos, ensinando de que forma, como e quando devem ser eliminados os defeitos e as deficiências, em cuja incumbência se experimentará grande alívio psicológico e moral, ao mesmo tempo em que a vida adquirirá novos coloridos, ao emancipar-se de peso tão torturante.

Mas essa tarefa, que levará sem dúvida um tempo respeitável, não deve parar ali, quer dizer, na eliminação de tudo quanto configura o negativo do ser.

É também necessário saber com que virtudes se conta. Se algumas se têm, terá que se investigar que funções desempenham na vida, e ao mesmo tempo que são encaminhadas para as manifestações fecundas, que fortalecem a vida, convirá aumentar seu número, até o máximo.

Não se deve esquecer de que as virtudes são forças que criam o verdadeiro estímulo da vida; são as que fortificam o espírito em todos os momentos álgidos, momentos nos quais a resistência humana parece chegar a seu fim. Em tais circunstâncias, e por virtude dessas forças, o ser humano encontra alento e estímulo para triunfar nas lutas.

Do exposto surge, com notória evidência, quão necessário é realizar um processo consciente para conhecer o que há dentro de si mesmo; e se não há nada, há que criá-lo em função desse processo. Todas as coisas que existem nos demais podem ser criadas e se fazerem delas, com seu bom uso, grandes condições humanas.

Para isso é imprescindível conhecer todos os rincões da mente; saber como atuam os pensamentos; aprender a movê-los dentro do recinto mental, fazendo-os atuar conscientemente e sem que jamais se apossem da direção do ser, vale dizer, de seu governo interno.

O homem deve ser dono de sua própria pessoa, selecionando os pensamentos de sua mente, isto é, eliminando os que não servem e ficando com os melhores. Deste modo, pode-se dar amplitude à vida e abrir um imenso campo de possibilidades superiores.

Fonte: www.logosofia.org.br


A Definição de Burguesia


No século XIII com o fim das Cruzadas ocorreu uma grande alteração no quadro econômico europeu que resultou na abertura do Mar Mediterrâneo e no chamado Renascimento Urbano e Comercial; todas estas mudanças ajudaram a colocar um ponto final no já decadente sistema Feudalista.

Com as Cruzadas surgiram as primeiras rotas comerciais formadas pelos antigos cavaleiros que, ao retornarem a Europa, iam saqueando as cidades orientais e vendendo as mercadorias adquiridas (jóias, tecidos, temperos, etc) pelo caminho. Durante esse período, estes mesmos mercadores, como forma de proteção, começam a construir cidades protegidas por muralhas, conhecidas como burgos. Os burgos abrigavam também os camponeses, que com a decadência do feudalismo e conseqüente perda de poder dos senhores feudais, deixam os feudos e buscam refúgio nestas fortalezas. Originalmente o termo burguês era usado para se referir a estas pessoas que residiam nos burgos, mas aos poucos, o termo passou a ser usado para designar toda um grupo que começava a se estabelecer como força econômica, a transformar os meios de produção e que se dedicava às atividades comerciais com o objetivo de lucro; prática que por muito tempo foi condenada pala Igreja Católica, a maior potência da época, e vista como desonesta pela maioria das culturas e civilizações do ponto de vista ético.

Nos séculos XVII e XVIII a burguesia teve grande importância no declínio do sistema absolutista apoiando diversas revoluções, que ficariam conhecidas como revoluções burguesas, como, por exemplo, a Revolução Inglesa e a Revolução Francesa, deixando assim, o caminho livre para a expansão do capitalismo e para a propagação da “filosofia burguesa”, da qual se originaram os conceitos de livre comércio, liberdade pessoal, direitos religiosos e civis.

Conforme o comércio e a economia se expandiam, crescia também o poder e o domínio desta classe, fato que foi consolidado com a Revolução Industrial no século XVIII; a partir deste ponto o capitalismo industrial se afirma como sistema econômico mundial e a divisão da sociedade entre burguesia e proletariado se torna ainda mais evidente.

Para os seguidores do marxismo, a evolução da sociedade nada mais é do que a eterna luta de classes alimentada por interesses opostos e irreconciliáveis. Durante toda a história da humanidade existiu e continuará existindo a classe dominante e a classe dominada; a burguesia apenas veio substituir uma classe decadente, a dos senhores feudais, assim como o capitalismo veio substituir um sistema também decadente e que já não mais conseguia suprir as necessidades produtivas de sua época, o feudalismo.

Fonte: www.infoescola.com/

Assista também o vídeo da Canção de Seu Jorge "BURGUESINHA" , eu adoro..... rsrsr

domingo, 27 de setembro de 2009

A Cruz e Seus Simbolismos

Apesar de ter sido difundida pelo cristianismo como símbolo do sofrimento de Cristo à crucificação, a figura da cruz constitui um ícone de caráter universal e de significados diversificados, amparados por suas inúmeras variações.

É possível detectar a presença da cruz, seja de forma religiosa, mística ou esotérica, na história de povos distintos (e distantes) como os egípcios, celtas, persas, romanos, fenícios e índios americanos.

Seu modelo básico traz sempre a intersecção de dois eixos opostos, um vertical e outro horizontal, que representam lados diferentes como o Sol e a Lua, o masculino e o feminino e a vida e a morte, por exemplo.

É a união dessas forças antagônicas que exprime um dos principais significado da cruz, que é o do choque de universos diferentes e seu crescimento a partir de então, traduzindo-a como um símbolo de expansão.

De acordo com o estudioso Juan Eduardo Cirlot, ao situar-se no centro místico do cosmos, a cruz assume o papel de ponte através da qual a alma pode chegar a Deus. Dessa maneira, ela liga o mundo celestial ao terreno através da experiência da crucificação, onde as vivencias opostas encontram um ponto de intersecção e atingem a iluminação.


Cruz simples: Em sua forma básica a cruz é o símbolo perfeito da união dos opostos, mantendo seus quatro "braços" com proporções iguais. Alguns estudiosos denominam esta como Cruz Grega.
Cruz de Santo André: Símbolo da humildade e do sofrimento, recebe esse nome por causa de Santo André, que implorou a seus algozes para não ser crucificado como seu Senhor por considerar-se indigno. Acredita-se que o santo foi martirizado em uma cruz com essa forma.
Cruz de Santo Antonio (Tau): Recebeu esse nome por reproduzir a letra grega Tau. É considerada por muitos, como a cruz da profecia e do Antigo Testamento. Dentre suas muitas representações estão o martelo de duas cabeças, como sinal daquele que faz cumprir a lei divina, encontrado na cultura egípcia, e a representação da haste utilizada por Moisés para levantar a serpente no deserto.
Cruz Cristã: Definitivamente o mais conhecido símbolo cristão, que também recebe o nome de Cruz Latina. Os romanos a utilizavam para executar criminosos. Por conta disso, ela nos remete ao sacrifício que Jesus Cristo ofereceu pelos pecados das pessoas. Além da crucificação, ela representa a ressurreição e a vida eterna.
Cruz de Anu: Utilizada tanto por assírios como caldeus para representar seu deus Anu, esse símbolo sugere a irradiação da divindade em todas as direções do espaço.
Cruz Ansata: Um dos mais importantes símbolos da cultura egípcia. A Cruz Ansata consistia em um hieróglifo representando a regeneração e a vida eterna. A idéia expressa em sua simbologia é a do círculo da vida sobre a superfície da matéria inerte. Existe também a interpretação que faz uma analogia de seu formato ao homem, onde o círculo representa sua cabeça, o eixo horizontal os braços e o vertical o resto do corpo.
Cruz Gamada (Suástica): A suástica representa a energia do cosmo em movimento, o que lhe confere dois sentidos distintos: o destrógiro, onde seus "braços" movem-se para a direita e representam o movimento evolutivo do universo, e o sinistrógiro, onde ao mover-se para a esquerda nos remete a uma dinâmica involutiva. No século passado, essa cruz adquiriu má reputação ao ser associada ao movimento político-ideológico do nazismo.
Cruz Patriarcal: Também conhecida como Cruz de Lorena e Cruz de Caravaca possui um "braço" menor que representa a inscrição colocada pelos romanos na cruz de Jesus. Foi muito utilizada por bispos e príncipes da igreja cristã antiga e por jesuítas nas missões no sul do Brasil.
Cruz de Jerusalém: Formada por um conjunto de cruzes, possui uma cruz principal ao centro, representando a lei do Antigo Testamento, e quatro menores dispostas em cantos distintos, representando o cumprimento desta lei no evangelho de Cristo. Tal cruz foi adotada pelos cruzados graças a Godofredo de Bulhão, primeiro rei cristão a pisar em Jerusalém, representando a expansão do evangelho pelos quatro cantos da terra.
Cruz da Páscoa: Chamada por alguns de Cruz Eslava, possui um "braço" superior representando a inscrição INRI, colocada durante a crucificação de Cristo, e outro inferior e inclinado, que traz um significado dúbio, dos quais se destaca a crença de que um terremoto ocorrido durante a crucificação causou sua inclinação.
Cruz do Calvário: Firmada sobre três degraus que representam a subida de Jesus ao calvário, essa cruz exalta a fé, a esperança e o amor em sua simbologia.

Cruz Rosa-Cruz: Os membros da Rosa Cruz costumam explicar seu significado interpretando-a como o corpo de um homem, que com os braços abertos saúda o Sol e com a rosa em seu peito permite que a luz ajude seu espírito a desenvolver-se e florescer. Quando colocada no centro da cruz a rosa representa um ponto de unidade.
Cruz de Malta: Emblema dos Cavaleiros de São João, que foram levados pelos turcos para a ilha de Malta. A força de seu significado vem de suas oito pontas, que expressam as forças centrípetas do espírito e a regeneração. Até hoje a Cruz de Malta é muito utilizada em condecorações militares.

Por Guss de Lucca
Fonte: "Dictionary of Symbols", J.E. Cirlot - Madrid - 1962